8 da manhã. Café e torta de amora

Scroll down to content

Acordei. Levantei-me. Dirigi-me até à máquina de café, quase de olhos fechados. Liguei-a. Escolhi a cápsula e deixei que o café escorresse lentamente para a chávena, difundindo pela cozinha um lento despertar. Pensei que estava em agosto e que possivelmente já houvessem amoras nas silvas. Pensei também que em breve iria apanhar uva-da-serra. Abri o frigorífico e retirei um frasco de compota de uva-da-serra para barrar na torrada. Enganei-me. Era efetivamente doce de amora. Devia rotular as compotas, mas nem sempre o faço. Confio na memória e limito-me a decifrar pelo exterior do frasco o conteúdo. Desta vez a estratégia não deu certo. Não fazia mal. Estamos no tempo das amoras. Iria apanhá-las para guardar este fruto de fim de verão e poder disfrutá-lo sempre que quisesse. De repente, pensei que aquele doce ficaria muito bem como recheio de uma torta. E, assim, tudo se concretizou em meia hora, ainda a tempo do café da manhã cá de casa. Para mim, toda a altura do dia podia ser o momento certo para se saborear um docinho. Cortei a torta em fatias generosas e acondicionei-as numa marmita para oferecer a amigos. A comida sabe sempre melhor quando é partilhada.

torta de amora_foodwithameaning

 

Torta de Amora Silvestre

Ingredientes

6 ovos

150 g de açúcar (a receita dizia 200)

200 g de farinha (a receita dizia 250g)

1 colher de café de aroma de baunilha ( não incluído na receita original)

2 colheres de chá rasas de fermento para bolos

1 frasco de compota (usei de amora silvestre)

 

Preparação

Ligar o forno a 180ºC.

Bater os 6 ovos inteiros com 150 g de açúcar  durante dois minutos.

Juntar a farinha, 200 g,  o aroma de baunilha e duas colheres de chá rasas de fermento para bolos. Bater tudo.

Forrar o tabuleiro do forno com papel vegetal. Untar o papel vegetal com manteiga e polvilhar com farinha.

Verter o preparado para o tabuleiro.

Cozer durante 15 minutos.

Desenformar de imediato para cima de uma toalha polvilhada com açúcar. Deixar arrefecer 10 minutos e rechear com o doce que se desejar.

Usar a toalha para ajudar a enrolar a torta.

Dicas:

  1. Não deixar que a torta coza demasiado. Poderá ter tendência para quebrar ao desenrolar; Quinze minutos serão aqui suficientes.
  2. Desenrolar com cuidado, apertando a torta uniformemente contra a toalha polvilhada de açúcar.

torta de amora_foodwithameaningtorta de amora_foodwithameaning

 

receita adaptada do livro básico da Bimby

7 Replies to “8 da manhã. Café e torta de amora”

  1. Doce de Amora é o meu preferido, mas há alguns anos que não consigo encontrá-las na minha aldeia e aqui em Portugal continental (ia dizer continente, mas podia haver dúvidas…) não é fácil encontrar à venda das frescas. Bem sei que as há congeladas, mas não me seduzem tanto.
    A tua Torta ficou tão apetitosa, que de certeza não sobrou nenhuma fatia!
    Gosto muito das tortas e do pão de ló porque são bolos muito fáceis e rápidos de confeccionar e são muito versáteis pela quantidade de recheios que podemos utilizar.
    Obrigada pela partilha. Uma boa semana. Bjs. Bombom

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: